25 de jul de 2011

Esconde-esconde

Que aflição achar que tem algo preso no dente e não ter certeza. A língua faz o que pode, coitada. Se puxa na inspeção, mapeia cada cantinho em busca do intruso mas nunca é clara o suficiente. A dúvida permanece, à essa altura já virou certeza absoluta. Sim, existe algo que não deveria estar aonde quer que esteja.
O que nos resta? Meter a unha disfarçadamente, como se isso fosse possível? Se esconder atrás de uma cara fechada ou sorrir para o primeiro que passar na nossa frente e observar sua reação? E se essa pessoa for alguém conhecido? Será que ela vai avisar ou morrer de rir ou não contar de propósito? Melhor sair o quanto antes à procura de um reflexo esclarecedor. Qualquer um. Banheiros e espelhinhos de bolsa nunca estão por perto quando a gente mais precisa deles.

Foto: FFFFound

2 comentários:

Cinderela Descaída disse...

Tem um conto do Raymond Carver sobre isso. Dá uma aflição...
Beijos e saudades!

Deise disse...

hehehhe
Pura verdade !
Beijão