25 de ago de 2009

Gripe ZZZZZZ

Eu já acordei muitas madrugadas por causa de febre de filho, mas não em tempos de gripe A. Quando o Rafa chamou às 4 e meia da manhã com 38 e meio de febre, bateu o nervosismo. Mais dele do que nosso. Os pais precisam disfarçar e mostrar segurança, não tem outra maneira. Do alto da minha camisola, cheguei à seguinte conclusão: por mais que a gente tenha lido TUDO a gripe A (inclusive aqueles ppts didáticos), por mais que o álcool gel já tenha impregnado nos nossos dedos, quando a febre bate na porta é como se batesse uma burrice instantânea. Onde leva? O que faz?
Uma hora depois, a febre cedeu. Mesmo assim, cedinho eu e o Rafa fomos para o circuito emergência-máscara. O Hospital Mãe de Deus também montou uma estrutura de triagem no estacionamento. Eu tinha lido sobre a inspiração nos atendimentos de campanha do exército e esperava algo pior. Que nada, bem organizado. O pessoal se aprimorou nos últimos meses. Perguntei TUDO de novo para a médica. A princípio, só uma gripe normal. Antitérmico, repouso e a tal da observação. Na saída, botei nossas máscaras no lixo, a gente se sente doente com aquilo. Depois achei melhor comprar algumas e fiz um estoque de antitérmico. Até a formatura dos guris, não preciso me preocupar com Tylenol, Novalgina e Alyvium.
O Rafa vai passar 4 dias em casa, tranquilito. Depois vai rebolar pra recuperar 4 provas, 2 trabalhos e sabe-se lá quantos polígrafos. A febre não voltou o dia inteiro, ele está bem disposto. Não vou cantar vitória ainda, quero ver de noite. Tomara que todo mundo durma na santa paz. Maldita gripe, um pesadelo ambulante.

2 comentários:

Gislaine Fernandes disse...

Nossa como nós somos iguais...digo as mães são todas iguais...e espero q seu Rafa esteja bem...essa gripe assusta mesmo,mesmo nós informadas mas assusta.Melhoras...bjs...

Gislaine Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.