17 de jan de 2011

Filhos idealizados X Filhos reais

Meus filhos nunca comeram brócolis ou beterraba em restaurante (muito menos em casa), atraindo suspiros invejosos de outras mães. Para falar a verdade, eu sempre estava sentada na mesa de onde saíam esses suspiros. Uma criança levar cenoura pra comer na hora do recreio, como já ouvi relatos orgulhosos, sempre pareceu coisa de ficção científica. Talvez seja mais fácil eu cruzar com o Darth Vader no Zaffari.
Meus filhos nunca dormiram a noite inteirinha quando eram bebês. Sei que existem pais felizardos que narram essa experiência surreal com detalhes. Impossível não comparar com as noites em que o Rafa nos fazia acordar cinco (5) vezes.
Meus filhos não gostam de ler, não tanto quanto eu. E também já fui informada de que existem, sim, crianças da mesma idade que devoram livros enormes. Por isso, estabeleci como missão de férias fazer a dupla ler.
Acreditando que milagres podem mesmo acontecer, quero que eles descubram que leitura dá prazer, não sono. E que a gente pode esperar o dia inteiro para finalmente chegar de noite e retomar um livro, uma história, um mundo à parte.
Ontem os dois foram na Livraria Cultura e, diante de um cardápio tão apetitoso, escolheram um livro cada um. Criei uma única regra: ler uma hora todos os dias. Rapidamente o Fabio colocou um relógio enorme pra marcar o tempo. Tive que flexibilizar a regra antes que virasse um tiro no pé (o meu, claro). Ler o suficiente para se envolver com a história.
Há pouco fiquei sabendo que o Fabio está gostando das Crônicas de Nárnia, apesar de achar meio confuso. Ele começou pelo segundo volume, por motivos óbvios. "O primeiro tem umas 750 páginas, mãe. Ninguém merece!"
Até o fechamento desse post, o senhor Rafael não tocou no seu exemplar sobre a história das seleções brasileiras de futebol. E você sabe, se um não está fazendo o combinado, o outro se sente no legítimo direito de descombinar também. Convoquei o Ricardo para dar um cartão vermelho no cara. E cheguei à conclusão de que a maternidade é mesmo a Terra Encantada das Idealizações.

5 comentários:

Silvana disse...

Magali, parabéns pelo blog, a pouco tempo que conheci e acompanho, mas hoje me identifiquei totalmente na luta em fazer que os filhos leiam.Me consolo mesmo que não leiam tudo o que eu gostaria, fico tentando e de letra em letra a gente vai chegando ao final de um livro. E qto aos filhos dormirem a noite toda, as 5x que tu acordava, pra mim multiplica por 2, porque são gemeas né. Bjs,gosto muito do blog,
Silvana (mãe da Ge e da Muri)

Cinderela Descaída disse...

Amiga:
dividimos vários pontos em comum, principalmente no que diz respeito a filhos insones.
Boa sorte na tua empreitada. Eu leio para as meninas todas as noites, claro, elas são menores, mas a Isa, que vai fazer sete e está alfabetizada, tem de praticar e tem preguiça. Ela tinha que ler um livrinho por dia, mas não vem seguindo a regra e nem eu tenho a forçado a cumprir.
Mas vou retomar isso a partir de hoje, seguindo o teu exemplo.
bjs

Carina disse...

Amiga,tá bem difícil pra mim tb. O Thi tá com um livro de aventuras pra ler na praia, mas passa vários dias sem ler e qdo. a gente vai ver já nem sabe mais quem é quem no livro...Vou avisar que o amigão dele está lendo as crônicas de Narnia para ver se ele se anima. Os teus comentários negativos, é claro que vou omitir (rsrsrs). Bjs,
Carina

Ana disse...

Olá
Conheci o blog essa semana, depois que terminei de ler o livro O Diário de uma Demitida. Gostei tanto do livro que vim visitar o blog.
Tenho dois filhos (pré) adolescentes: o Pedro de 12 anos que adora ler e o Henrique de 14 anos que odeia. Esta diferença se percebe com muita nitidez em suas produções textuais. Mas fazer o quê? Tento estimular comprando livros do interesse deles. O mais velho agora está se interessando por biografias...Vamos ver no que vai dar...
Parabéns pelo blog e principalmente pelos textos.
Um abraço,
Ana Cláudia

Monalise Nogueira disse...

Ô luta nossa de cada dia. Tenho uma pequena de 6 anos, que está na fase de aprender a ler. Ela adora as historinhas que leio para ela, mas é tão preguiçosa que as vezes fico chateada. Esse ano propus a ela, um diário, como forma de incentivo. Até agora, não vi nenhuma tentativa, mas estou a espera de um milagre. Rs.

Adoro teus textos e parabenizo por dividi-los conosco.
Beijos