19 de out de 2009

Toddy, sabor que alimenta

Minha sogra comprou um cachorro que parece uma pantufa número 34. Olhei de longe e, ok, achei bonitinho. Mas beleza não é tudo na vida. Ele segue sendo um cachorro, o que para mim significa perigo. Já fico em alerta, feito Pastor Alemão. Cães lambem, cheiram, querem assunto, correm atrás da gente, ainda mais tendo dois meses. Sem querer, arranjei sarna pra me coçar.
Toda a família está in love com o Toddy (nome dado pelo Fabio, o mais apaixonado). Eu estou pensando em táticas de sobrevivência aos domingos. Posso atravessar o verão de botas de cano alto e suportar o calor em troca de proteção - imagine ganhar uma lambida inesperada nas canelas? Também posso convidar o pessoal pra sentar na calçada (ô hábito gostoso!) e conversar por horas. O projeto de Nescau só vai sair na rua quando completar seis meses, então tenho 24 domingos para me refugiar ao ar livre enquanto ele fica na sala vendo Faustão.
Eu só queria entender por que todo mundo se derrete por cachorros. Você deve estar pensando que o Nesquik é esse aí em cima. Claro que não, é uma imagem meramente ilustrativa. Aposto que o achocolatado em pó vai se intrometer nas fotos que eu tirar do Fabio e do Rafa, mas eu sempre posso cortar a cabeça dele – no enquadramento, no enquadramento!
Minha sobrinha perguntou o que eu sinto quando um cachorro se aproxima. Boa pergunta, difícil explicar. Gosto de joaninha, borboleta, coqueiro, cachoeira e arco-íris. Isso deve compensar. Talvez o cacau me ajude a ser mais tolerante com os animais. É apenas uma vaga hipótese, não se emocione.

5 comentários:

Gislaine Fernandes disse...

Adorei seu senso de humor...não gosto de c~es também não ...
bjs

Fernanda Reali disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda Reali disse...

Como mãe de cachorra que sou, defendo o Toddynho. Uma coisa amorosa e fofa que quer dar e receber carinho não deverá ser desprezado jamais.

O que me causa horror absoluto é imaginar ter que passar 24 domingos com sogra. Tô fora.

Fim de semana não é pra convenção familiar, em que geralmente acaba rolando fofoca, palpites e olhares não desejados.

Final de semana é pra caipirinha, sol, lazer, risadas, namoro, acompanhada de quem me faz sorrir.

Fiquei arrepiada de pensar nestes 24 domingos! Happy Halloween...

Cammy disse...

Relaxa, Magali...cachorro é tudo de bom. As poucas pessoas que conheço que não gostam deles, ou é por que já foram mordidas, ou nunca tiveram um cão...
Abraço!

Lu disse...

Meus pais não simpatizavam com cachorros também até minha irmã aparecer com uma pantufa 34 como a da tua sogra em casa. Hoje o Gucci, o cãozinho lá de casa, é o neto que meus pais não têm e a alegria da casa. Vale a pena dar um voto de confiança pro bichinho, tu vais ver como é bom receber uma lambidinha de vez em quando.
Beijos