12 de mai de 2010

Ah, o passado!

Às vezes, eu reencontro o passado e é tão gostoso. Quando vi essa foto, lembrei da época em que comecei a trabalhar e catava milho em máquinas de escrever. Eu devia ter Errorex (lembra?) na corrente sanguínea, de tanto que apagava e retomava os textos. Hoje eu cato milho em um MacBook branquinho e charmoso. A vida ficou infinitamente mais fácil, olhe ao redor para ver.
Voltando aos antigamentes, o upgrade dos sonhos era o quê? Uma máquina de escrever elétrica da IBM! A gente só via isso nas mesas das secretarias de diretoria.
Eu não sosseguei até comprar uma prima pobre dessas máquinas no Paraguai. Botei o pé para fora da loja e derrubei a caixa. Pânico total. Usei pouquíssimo a muamba paraguaia, ela não era assim uma Brastemp. E logo chegaram os computadores na agência. Aí, perdi o interesse.
Agora chega de nostalgia. Amo os modernismos e o tempo que a gente ganha (ou perde) com eles. E pensar que ainda tem gente que prefere enfrentar fila de banco em vez de pagar contas pela internê.

Um comentário:

Paty disse...

quando eu morava em Poa.. meu pai tinha uma máquina de escrever mas eletrônica, só qeu vindo para cá queimou, pois ele esqueceu q era outra voltagem...

eu catava milho, e ainda cato.. rsrsrs

ahh.. e quando morava em Poa eu cahamava o Errorex de Liquipaper( algo assim, e ñ sei como escreve) rsrsrs, dai teve um dia de na escola que aqui em Gravataí fui pedir emprestado, bah ficaram rindo de mim, pois chamavam de errorex... rsrsrs

concerteza as coisas tão melhor hj em dia, ms eu entendo pouco dessa tcnologia td...

bjs