7 de mai de 2009

O princípio do prazer

O que aconteceria se todo mundo resolvesse fazer só aquilo que lhe dá prazer?
Uma bagunça das boas, com certeza. Empregos abandonados, contas ignoradas e o dinheiro gasto de um jeito insano e infantil: mil reais em balas Sete Belo, moço. Eu deixaria de passar fio dental. Deu vontade de ir pra Londres? Os aviões prontamente cederiam lugar, atendendo a qualquer deleite turístico. A moeda de troca seria negociada caso a caso. Seguindo o princípio do prazer, a gente ia comer tudo que quisesse, sem engordar. Naqueles dias em que não dá vontade de sair da cama, as persianas seriam gentis o suficiente para nos manter na penumbra. Todo compromisso poderia ser desmarcado por um solzinho no parque. Cada ação seria antecedida pela pergunta-chave “Isso me dá prazer?”. Muitos colégios fechariam as portas. Ou então, só pátio livre (a matéria preferida do meu filho).
Tá bom, tá bom, prazer o tempo todo não ia funcionar. Seria muita areia pro nosso caminhãozinho. Mas dá pra equilibrar, né? Aqui vai uma humilde sugestão. Uma surtadinha por semana, que seja. Uma indulgência descarada, descabida, sem explicação e sem críticas. Só por prazer.

2 comentários:

Lu disse...

Todo mundo ia ser muito mais feliz e a sociedade funcionaria mil vezes melhor se as pessoas se dedicassem mais àquilo que lhes dá prazer. E trabalhar 5 dias por semana, 8 horas por dia, certamente não é o hobby preferido da humanidade.
Eu sou mega a favor dessa tua campanha. Aposto que o mundo dos negócios não ia deixar de funcionar, ninguém ia ganhar menos do que ja ganha e as pessoas ainda iam ser muito mais felizes.
Beijos

Mari Lopes disse...

Tu já leu o livro "Você está louco!" do Ricardo Semler?
Vale a pena...