12 de jan de 2010

Está servido?

Hoje eu almocei uma liquidação. Não repeti pra não pesar no Visa. Circulei o buffet de araras, fiz meu prato e fui pro provador. Comprei $ó uma peça por causa da dieta. Tem dias em que a gente precisa adquirir uma coisinha, vai. Senão perde o bom gosto e esquece como é delicioso arrancar etiquetas de preço.
Então nem me importei em comer no carro mesmo. Mordiscando meu sanduba entre um sinal fechado e outro, lembrei de quantas vezes eu critiquei quem faz isso. Comer literalmente em trânsito significa ter péssima qualidade de vida. Ou não. Faço as três refeições em casa. Mais salada verde, impossível. Se escolhi almoçar liquidação, de noite eu recupero o menu que sobrou do meio-dia. As nutricionistas e endócrinas deveriam fazer isso de vez em quando (óbvio que fazem, devem passar a chocolate). É tão bom quebrar o regime, ainda mais o de gastos.
Tirando o homem que uma vez presenciei comendo de colher e tupperware dentro do carro na sinaleira, não vou mais emitir julgamentos precipitados. A pessoa pode ter saído de uma liquidação, como eu. Bem faceirinha. Ou pode ter ido visitar uma amiga no hospital (pra mostrar o que comprou). Daqui pra frente, não quero saber do almoço alheio. Nem que seja uma picanha sangrenta num sinal vermelho. Agora se você parar ao meu lado e estiver na parte da sobremesa, avisa que eu abro o vidro pra pegar um pouquinho.
É isso! Faltou um bombom pra concluir o meu almoço de hoje!

Um comentário:

adriane disse...

magalita, tu é ótima. guria, experimenta pegar uma colher de sopa, enfiar bem fundo dentro do vidro de doce de leite conaprole e ir lambendo vagarosamente enquanto vai dirigindo, ai, ai, ai, delííííícia