11 de jan de 2010

O retorno de Tieta

Essa vida dá uma novela das boas, daquelas escritas pela Janete Clair reencarnada no Gilberto Braga (se você não sabe quem é ela, dê um Google urgente e depois faça a devida reverência).
Como eu ia falando, se é novela, tem um desenrolar previsível mas nem por isso menos curioso. Vamos nascer, crescer, gostar de alguém que não vai gostar da gente, se dar mal, se dar bem, achar que está tudo perdido, conhecer outro alguém e, com sorte, dar uma reviravolta das grandes - não necessariamente nessa ordem. É isso que nos prende na vida, saber que o fim está longe ainda. E mesmo que nos tirem de cena, sempre dá tempo de voltar. Tieta que o diga.
Lembrei dela quando vi essa imagem. E também me enxerguei ali. A gente sai da trama. E retorna num momento mais propício, com a audiência de olho. O mercado publicitário gaúcho está mais para uma novela modorrenta do SBT, mas a metáfora é válida. Tieta sofreu, amargou e se superou. Acredito que agora entrei na fase da superação. Me sinto ensaiando as novas falas, treinando na frente do espelho. Parece que alguns papéis estão predestinados para mim. E isso não é um problema, muito pelo contrário.
Esses dias ouvi a seguinte frase: “Tu não consegue ser má, tu é como a Grazi de vilã, não convence.” Em homenagem ao carisma da Grazi, tomei isso como um elogio. Mas que eu fiquei puta, fiquei. As vilãs fazem reviravoltas como ninguém.

Um comentário:

Lu disse...

É, Maga, como dizem por aí, um dia a gente tá por baixo, mas noutro tá por cima. E parece que chegou a tua hora novamente de estar bem por cima! Sorte e muito sucesso pra ti todos os dias.
Beijão