28 de ago de 2010

Nunca saia de casa sem ele

Já contei que odeio palito de dente? Contei, sim. Mas vou ter que voltar ao assunto.
Esses dias foi inevitável reparar no desfecho de um jantarzinho romântico, em uma mesa próxima da nossa. Olhando à distância, tudo parecia indo bem. O casal conversou, bebeu vinho, jantou, trocou carinhos. Até que o homem chamou o garçom e pediu o maldito palito. Fez aquele faxinão na frente da mulher - o restaurante estava na penumbra, tomara que ela não tenha visto nenhum pedaço de carne voador. Fiquei pensando: se fosse eu, levantava e comia a sobremesa em casa, sozinha. Por que o distinto cavalheiro não correu pro banheiro e, no meio do caminho, pegou o tal do palito ou conseguiu fio dental com o cozinheiro? Outra coisa: fazer aquela concha com a mão na frente da boca não adianta nada, a gente sabe que lá atrás está rolando uma deselegante carnificina.
Então fica a dica. Jantares românticos não combinam com palito de dente. Aliás, nenhuma refeição onde um outro alguém esteja presente.

Um comentário:

Lu disse...

Magali, eu te apóio totalmente. Nada, eu disse, NADA, pode ser mais nojento e degradante do que um palito de dente. Na boca de uma mulher então, nem se fala! Um dia ainda vou fazer uma exposição fotográfica com pessoas palitando os dentes pra que elas vejam o quanto são nojentas fazendo isso. Beijos

LuRodrigues