23 de set de 2008

Os esquecidos

O abridor de latas perguntou para o descascador de batatas qual foi a última vez que ele havia sido usado naquela cozinha. Boa pergunta, respondeu o outro. Fazia tanto tempo que ele nem lembrava. Ontem mesmo ele e o coador pequeno estavam conversando sobre isso. No fundo da gaveta, onde os dois ficavam, tinha até teia de aranha. Já o coador grande não podia reclamar, disse o abridor de latas com uma pontinha de inveja.
O coador grande, que ouvia a conversa de longe, aproveitou a deixa para se manifestar. Ele era bem solicitado, sim. Até demais. Mas para coar miojo, que não era a sua função e o colocava numa situação delicada com o escorredor de massas, seu amigo desde os tempos do supermercado. De tanto coar miojo e ir parar na lavalouça, sua tela estava ficando escura. Desse jeito, logo ele seria aposentado no lixo e o substituiriam por um coador inexperiente, que ia levar água fervendo na cabeça e agradecer.
Panela velha é que faz comida boa, gritou uma voz que veio do armário de baixo da pia. Era a panela de alumínio, já sem cabo e sem tampa. Ela, que foi a responsável por carreteiros inesquecíveis, agora passava os dias vendo a ascensão das colegas de teflon. Aquele armário parecia uma loja de tantos tamanhos de panelas. E uma loja às moscas, porque ultimamente ninguém se dava ao trabalho de pegar uma delas para cozinhar.
O abridor de latas, o descascador de batatas, os coadores e a panela de alumínio não eram os únicos insatisfeitos. Ainda bem que a turma do armário aéreo não podia ouvir. Lá dentro, o mixer e a fritadeira elétrica esperavam sua liberdade há anos. Eles queriam ser úteis, misturar ingredientes, picar legumes, fritar batatas fritas, essas coisas que os eletrdomésticos modernos fazem. E nunca viam a luz da fluorescente. Lá dentro a solidão era tanta que esse armário ganhou o apelido de solitária. Quem entrava, não saía nunca mais.
Em cima do balcão, a iogurteira lembrou dos áureos tempos, quando o iogurte caseiro estava em alta na família. Ela passava a noite inteira ligada proliferando lactobacilos. O iogurte ficava tão bom que os seis potinhos de vidro imediatamente esvaziavam e voltavam para a base da iogurteira, que chegava a ser requisitada duas vezes na mesma semana.
O microondas ficou quieto no seu canto. Por ele, o trabalho podia ser dividido entre todos. Pipoca e arroz na panela de alumínio, por exemplo. Pizza no forno do fogão. A torradeira e o grill concordaram em gênero, número e grau. Eles não passavam um dia sem preparar sanduíches. O pessoal da casa era mais do lanche, fazer o quê. Pressão, disse uma das panelas. E um feijãozinho, please.
Os ânimos se exaltaram. A conversa ecoou pela cozinha, os azulejos ficaram nervosos e começaram a suar. O filtro de água aproveitou o clima e disse que não aguentava mais pingar o dia inteiro. O liquidificador perguntou se existia sindicato de eletrdomésticos. O fogão abriu as quatro bocas e disse que estava nessa. A geladeira deu apoio. A agitação era tanta que os talheres se batiam dentro das gavetas. E se alguém ouvisse o barulho, o que ia ser deles? A lavalouça ligou a pré-lavagem para disfarçar.
Os donos da casa apareceram. Pela quantidade de sacolas que troxeram do supermercado, hoje ia ter movimentação. Quem sabe um jantar à luz de velas com entrada, prato principal e sobremesa. Que nada. O homem e a mulher trocaram de roupa e saíram de novo, combinando em que restaurante iam jantar. E ainda deixaram todas as compras no chão da cozinha.

Nenhum comentário: