24 de abr de 2009

Cartela de cores

Não é fácil ser a única mulher da casa. Quando meus filhos resolvem reparar na roupa que estou usando, é sempre por causa do erro (na visão deles), não pelo acerto. E o engraçado é que os comentários são dirigidos ao clube do bolinha. É como se vissem algo tão fora de propósito que precisassem compartilhar com seus semelhantes.
Hoje de manhã, passei na sala e ouvi um dizer ao outro: “Toda de preto e bolsa branca?!!, olha ali...”. Tive que rir. Gosto de pensar que, de certa forma, estou contribuindo para abrir a cabeça deles. Na vida, é melhor surpreender do que passar em branco.
Minha autoconfiança raramente é abalada, mas já troquei de roupa por causa de um comentário direto e objetivo: “Tu vai assim, mãe???”. O único Stella McCartney que comprei na vida foi tachado de colete de jogador de futebol. E não saiu mais do banco de reservas.
Meu marido reclama dos decotes, principalmente. Ou do All Star do fim de semana: “Pra nós, tu não usa salto alto?” E, como todos os homens, às vezes ele se perde na linha do tempo. Acha que é nova uma roupa que já usei antes, pensa que é velha uma aquisição recente. Eu entendo. Quando o assunto é roupa, só o espelho me entende.

Um comentário:

Lisa disse...

Não posso concordar mais: Na vida, é melhor surpreender do que passar em branco.